Início » Mobilidade » Fique por dentro das principais tendências em mobilidade 

Fique por dentro das principais tendências em mobilidade 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Uma pesquisa do instituto WRI Brasil revelou as seis principais tendências para mobilidade urbana em 2022. Entre elas, destacam-se o tripé: compartilhamento, sustentabilidade e transporte ativo. Dessa forma, os veículos a combustão perdem cada vez mais centralidade para iniciativas que priorizam a coletividade, a eletricidade e a micromobilidade. Confira. 

1) Maas – Mobility as a service 

A mobilidade como serviço (MaaS, na sigla em inglês) transformou a relação das pessoas com os meios de transportes. Antes, era preciso ter um carro, uma bicicleta. Agora, contamos com serviços que nos permitem deslocar. E os brasileiros apostam nisso. Hoje, dois em cada três brasileiros se dizem dispostos a, nos próximos dez anos, trocar o carro próprio por serviços de mobilidade. Um índice 15% superior à média global. É o que revelou o relatório “Futuro da Mobilidade”, produzido pela consultoria global R/GA. 

2) Carros por aplicativo 

Dentro da lógica da MaaS, estão os carros por aplicativos, que seguem em destaque. A facilidade e os preços ainda acessíveis têm feito com que as pessoas optem por esse tipo de serviço para se deslocarem. Além disso, mais duas tendências aparecem neste segmento: melhorar a relação entre veículos e passageiros transportados e auxiliar no transporte de pessoas com deficiência. 

3) Carros, bicicletas e patinetes elétricos 

Quando se trata de sustentabilidade, os veículos elétricos são os protagonistas da vez. No ano passado, as vendas de carros elétricos aumentaram 257% no Brasil, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). A tendência é que os veículos eletrificados se popularizem à medida que modelos com preços mais baixos cheguem ao consumidor. 

Além disso, para distâncias mais curtas, que representam a maioria dos deslocamentos, o uso de bicicletas e patinetes elétricos deve seguir em alta, assim como o compartilhamento desses modais. 

4) Mais ciclovias e bicicletas compartilhadas 

As bicicletas compartilhadas são mais uma tendência de mobilidade urbana, serviço que tem crescido no Brasil, especialmente nos grandes centros. O compartilhamento de bikes facilita o acesso e torna o trajeto mais econômico e sustentável. No entanto, para que o serviço siga em crescimento é preciso também investir em ciclovias, que tornam os deslocamentos mais rápidos e seguros para os ciclistas. 

5) Pequenas distâncias e transporte ativo 

Imagina fazer todos os deslocamentos dentro das cidades em até 15 minutos? Esse é o modelo urbano proposto pelo colombiano Carlos Moreno, que vive há mais de 20 anos em Paris. O foco aqui são as curtas distâncias e a proximidade a funções essenciais, como trabalhar, estudar, consumir e se divertir. Neste modelo, o transporte ativo (bicicleta e caminhada) ganha destaque, já que não é preciso percorrer longas distâncias. Como resultado, temos a melhoria na qualidade de vida dos cidadãos e a redução da emissão de CO2 no ambiente. 

6) Investimento em BRTs 

Uma última tendência é a retomada dos investimentos em BRTs (ônibus de trânsito rápido), com foco na melhoria do transporte coletivo. Isso porque, esse sistema requer menos tempo e recursos para implantação do que o necessário nos metrôs, por exemplo, com benefícios compatíveis. Em faixas exclusivas, os ônibus de transporte rápido percorrem grandes distâncias em um curto espaço de tempo. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimos Posts